Centenas de caranguejeiras chamam atenção em passeio por São Vendelino

Centenas de filhotes de aranhas caranguejeiras andando em fila chamam atenção durante pedal em São Vendelino. Biólogo diz que é comportamento incomum.

Centenas de filhotes de aranha caranguejeira andando em fila

Comportamento incomum entre as aranhas, centenas de filhotes de caranguejeiras são registrados andando em fila.

Durante um passeio de bicicleta até o local conhecido como “Morro do Diabo“, em São Vendelino/RS, encontrei o que parecia ser, à distância, uma fileira de formigas cortadeiras, também muito comuns em nossa região. No entanto, ao chegar perto, registrar e pesquisar depois, percebi se tratar de uma fileira ordenada e em trânsito de centenas de filhotes de aranhas caranguejeiras.

Filhotes de aranha caranguejeira, recém nascidos. Há preconceito demais contra esse incrível animal q oferece pouco risco ao humano.#aracnid #aranhas #pedalandoporai

Publicado por Luiz F. G. Deitos em Domingo, 8 de março de 2020

Era visível que os pequenos animais seguiam uma trilha guiando-se por, pelo menos, um fio de teia estendido pelo chão. O ambiente onde estavam é de densa mata nativa, no fundo de um vale rodeado de encostas de até 500 metros de altura, aos pés do conhecido Morro do Diabo e no outro lado da encosta do Morro 29.

Densa mata nativa aos pés do Morro 29.
Densa mata nativa no fundo do vale entre o Morros 29 e Morro do Diabo.

Não identifiquei a espécie no momento do encontro, mas o comportamento incomum motivou o registro que fiz.

Semanas depois de divulgar o vídeo acima em rede social, Ivam Baumgaertner enviou via Whats-App um registro que fez em Barão/RS, de uma toca de aranha caranguejeira onde é possível ver muitos filhotes escondidos dentro e nas imediações.

Pesquisando, identifiquei se tratar de filhotes de caranguejeira em um comportamento relativamente incomum: O biólogo André Yansen, comentando outra ocorrência desse comportamento divulgada pelo portal G1, aventa a possibilidade de “serem filhotes recém-nascidos que, após a eclosão da oteca (rompimento da bolsa de ovos), se perfilaram na tentativa de ficarem menos vulneráveis aos predadores durante o deslocamento para um local mais seguro”,

As aranhas caranguejeiras, com mais de 900 espécies já catalogadas, são um grupo de aranhas tarântulas, animais invertebrados do grupo dos Artróprodes.

Não é incomum encontrá-las especialmente em zonas rurais e de mata no sul do Brasil. Podem chegar a incríveis 30cm de tamanho, embora, em média, atinjam entre 15 e 25cm (o que já é um tamanho considerável entre os aracnídeos).

O veneno não oferece risco aos humanos, sendo mais comuns acidentes através da principal defesa do animal, que são os pelos de seu corpo e abdome que, em contato com a pele ou mucosa humana, podem causar irritação, alergia e sensação de queimação, especialmente nos olhos.

O acidente de picada é mais dolorosa pela agressividade mecânica do que pelo potencial de seu veneno, na medida em que são 2 quelíceras que perfuram a pelo humana, cada uma podendo atingir 3cm de comprimento.

Pouco adiante do local onde as encontrei, provavelmente havia a mãe de todos esses filhotes esperando que voltassem a se agrupar.

O conteúdo desta página pode não refletir a opinião do portal NoticiasDoSul.com e de seus administradores. Os veículos e autores acima indicados fazem o uso desse espaço sem edição ou análise prévia. Assim, os mesmos assumem publicamente a mais ampla e exclusiva responsabilidade sobre quaisquer consequências que possam estar direta ou indiretamente relacionadas ao conteúdo aqui divulgado, isentando este site e seus administradores de qualquer ônus.